Ir para conteúdo

Projeto Ven, Tú Puedes capacita migrantes e refugiados venezuelanos para o mercado de trabalho

Parceiro da iniciativa, ICI já contratou novos...
Parceiro da iniciativa, ICI já contratou novos colaboradores por meio do projeto
Parceiro da iniciativa, ICI já contratou novos colaboradores por meio do projeto
Mikel e Swamy fazem parte da Coordenação de Atendimento ao Cidadão no ICI
Parceiro da iniciativa, ICI já contratou novos colaboradores por meio do projeto
Mikel e Swamy fazem parte da Coordenação de Atendimento ao Cidadão no ICI

Dados do Ministério da Justiça mostram que no Brasil há cerca de 60 mil pessoas reconhecidas atualmente como refugiadas. São crianças, jovens e adultos que deixaram para trás uma história e vieram em busca de novas oportunidades. 

Como forma de incentivo e de apoio a essa população, a organização não-governamental Visão Mundial criou o Ven, Tú Puedes, projeto de empregabilidade e empreendedorismo que visa capacitar migrantes e refugiados venezuelanos para o mercado de trabalho brasileiro. Uma das empresas parceiras da iniciativa é o Instituto das Cidades Inteligentes (ICI), que a partir do projeto contratou dois venezuelanos para compor seu quadro de colaboradores. 

“O ICI tem em seu propósito melhorar a vida das pessoas e transformar as cidades. Sabemos que o sucesso de todo o trabalho do Instituto é movido pelas pessoas. Ampará-las e permitir novas oportunidades está em nossa essência”, diz o gestor de Ação e Responsabilidade Social do ICI, Ozires de Oliveira. Segundo ele, apoiar o projeto Ven, Tú Puedes também é uma forma de fomentar a adaptação e a independência financeira dos refugiados.

Swamy Willians está há quase seis anos no Brasil e conta que conheceu o ICI por meio de um amigo. “A metodologia e a forma de trabalho da equipe foi um dos pontos que despertou o interesse para participar do processo seletivo que foi aberto para a vaga de assistente administrativo. Ingressei na empresa e obtive um grande aprendizado e boas experiências”. A colaboradora diz considerar o Instituto uma organização “cheia de boas oportunidades e diversas formas de valorização de pessoas”. “Sou imensamente grata e espero contribuir da melhor forma possível com tudo que estiver ao meu alcance. Hoje, trabalho com uma equipe totalmente capacitada, eficaz e funcional. Desejo aproveitar cada momento e aprender com todos os desafios apresentados nesta minha nova jornada”, comenta Swamy.

Mikel Jose Cedeno Pino entrou no ICI em junho deste ano. Natural de Ciudad Bolívar, na Venezuela, se aplicou à vaga de teleatendente da Central 156. “Já conhecia um pouco da responsabilidade e importância que tinha o operador de teleatendimento. Passei pelo processo seletivo e fiquei motivado, já que era um grande desafio por ser estrangeiro”, relata Mikel. Segundo ele, antes de vir para Curitiba, morou em Manaus (AM). “A experiência no Instituto tem sido positiva desde o primeiro dia. Conto com um grupo de pessoas que estão comprometidas no meu desenvolvimento profissional e, acima de tudo, assumi o compromisso de crescer.”

A colaboradora Noeliza Maciel, que atua na área de Ação e Responsabilidade Social do ICI, explica que o processo seletivo para estrangeiros é similar ao convencional. “O cadastro de vaga e os testes são personalizados para língua portuguesa e espanhola, o que permite que o candidato sinta-se incluído desde o início."

A expectativa é que, a partir do projeto, mais pessoas façam parte do quadro de colaboradores do Instituto. “O benefício é mútuo: tanto para o novo colaborador, que contará com oportunidade de crescimento, grande aprendizado e agregará habilidades ao currículo, quanto para os gestores e colegas de trabalho, que com a convivência poderão ter experiências diferentes, desenvolver uma nova língua e multiplicar o conhecimento”, reforça Ozires. 

 

Compartilhe: